Conheça melhor as alterações do auxílio doença e saiba como recorrer a perda do mesmo.

O auxílio doença é um benefício acessível a todo trabalhador que se encontre em situação de incapacidade e que tenha cumprido o período de carência, ou seja, além de estar impedido de exercer suas funções no trabalho, é necessário ter cumprido um período mínimo de contribuições junto à previdência social para ser qualificado como assegurado.

O auxílio doença concedido pelo INSS e regulado pela Lei 9.213/91, tem seu valor calculado com base em 80% dos maiores salários de contribuição do assegurado e pode ter a sua solicitação acompanhada de maneira virtual. O site “Consulta Meu INSS” ensina detalhadamente como fazer a consulta INSS pela internet.

No ano passado, milhares de cidadãos que recebiam esse benefício deixaram de receber por conta do “Pente fino” promovido pelo ministério público. Pensando nisso, resolvemos escrever esse artigo com informações sobre as alterações desse benefício e sobre como recorrer ao corte do mesmo.

Alterações do benefício

Com a Reforma da Previdência todos os cidadãos devem ficar atentos as várias alterações que foram sugeridas para os benefícios do INSS.

Dentre essas mudanças, algumas já vinham sendo aplicadas de maneira explícita, como o entendimento que o percurso do empregado até o local de trabalho não deve ser visto como tempo disponível a empresa, e outras de maneira não explícitas como o aumento da dificuldade para se conseguir os benefícios, ou os cortes de auxílios que se deram em decorrência do “Pente fino”, onde milhares de cidadãos que não possuíam qualquer tipo de irregularidade tiveram seus benefícios concedidos pelo INSS cancelados.

Problemas como esses levam as pessoas a terem receio quanto ao processo previdenciário.

Processo previdenciário

Nos casos em que o assegurado tem direito ao benefício e mesmo assim ele foi indeferido ao cancelado pelo “Pente fino”, a única saída para o solicitante é recorrer na justiça através de um processo previdenciário, nesse tipo de processo todos os documentos anteriores referentes ao INSS serão anexados, e o Magistrado irá determinar uma nova perícia.

Em alguns dos casos, o cidadão que se encontra incapaz e depende de uma posição processual quanto a solicitação de seu benefício, acaba por ficar preso no chamado “limbo jurídico”, onde a empresa que contratou seus serviços não quer arcar com um funcionário que se encontra incapaz ou debilitado para exercer suas atividades de forma plena, e o INSS recusa-se a deferir o benefício, deixando o solicitante sem qualquer renda neste período.

Pessoas que se encontram nessa situação de “limbo previdenciário”, devem recorrer aos serviços de um advogado profissional especializado nessa área o mais rápido possível, pois esta é a única forma de agilizar o processo e fazer com que o solicitante consiga seus direitos sem ser prejudicado por muito tempo.

Gostou desse artigo? Então fique atento ao nosso site, pois em breve traremos muitas outras notícias.

Melhore seus hábitos alimentares em 6 dicas

Melhore seus hábitos alimentares em 6 dicas

Se você quer perder peso ou simplesmente contribuir para ter bons hábitos, a fim de cuidar da sua saúde, deve começar pela alimentação. Melhore seus hábitos alimentares em 6 dicas e conquiste o corpo e a saúde que deseja.

Melhore seus hábitos alimentares em 6 dicas

Como ter hábitos saudáveis?

Muitas pessoas se preocupam em deixar de consumir os alimentos que mais gostam, mas existem receitas fáceis saudáveis que podem substituí-los e deixar a alimentação mais saudável. Por mais que pareça difícil, aos poucos podemos conseguir melhorar os hábitos e aderir a um estilo de vida mais saudável com as dicas abaixo:

Refeições de base em alimentos ricos em amido

Os alimentos ricos em amido devem constituir cerca de um terço dos alimentos que ingerimos. Sendo eles as batatas, cereais, massas, arroz e pão na versão integral. Tente incluir pelo menos um alimento rico em amido em cada refeição principal. Algumas pessoas pensam que os alimentos ricos em amido nos fazem ganhar peso, mas os carboidratos contêm menos da metade das calorias de gordura.

Coma muitas frutas e legumes

Recomenda-se que comamos pelo menos cinco porções de diferentes tipos de frutas e vegetais por dia. É mais fácil do que parece. Um copo de suco de fruta natural sem açúcar (150 ml) pode contar como uma porção, e os vegetais cozidos que acompanham os pratos principais também. Por que não cortar uma banana para acompanhar os cereais no café da manhã ou trocar o lanche no meio da manhã por um pedaço de fruta fresca?

Coma mais peixe

O peixe é uma boa fonte de proteína e contém muitas vitaminas e minerais. Tente comer pelo menos duas porções de peixe por semana, incluindo pelo menos uma porção de peixe azul. O peixe azul contém gorduras omega-3 que podem ajudar a prevenir doenças cardíacas. 

Algumas opções são o salmão, cavala, truta, arenque, atum fresco, sardinha e arenque.

Reduzir o consumo de gorduras saturadas e açúcar

Todos nós precisamos de um pouco de gordura na nossa dieta. Mas é importante prestar atenção à quantidade e ao tipo de gordura que ingerimos. Existem dois tipos principais de gorduras: saturadas e insaturadas. Excesso de gordura saturada pode aumentar a quantidade de colesterol no sangue, o que aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

Gordura saturada é encontrada em muitos alimentos, como queijo duro, bolos, biscoitos, salsicha, creme, manteiga, banha e empanadas. Tente reduzir o consumo de gorduras saturadas e, em vez disso, escolha alimentos que contenham gorduras insaturadas, como óleo vegetal, peixe azul e abacate.

Devemos reduzir o consumo de bebidas açucaradas, bebidas alcoólicas, cereais açucarados, bolos, biscoitos e bolos, com adição de açúcar, dê preferência aos açúcares encontrados naturalmente em alimentos como fruta e leite ou utilizar adoçante.

Coma menos sal

Embora não adicionemos sal à comida, podemos estar consumindo-o em excesso. Cerca de três quartos do sal que comemos todos os dias já está nos alimentos que compramos, como cereais matinais, sopas, pães e molhos. Comer muito sal pode elevar a pressão arterial. Pessoas com pressão alta são mais propensas a desenvolver doenças cardíacas ou derrames.

Ler os rótulos pode nos ajudar a reduzir seu consumo. Mais de 1,5 g. de sal por 100 gramas significa que a comida tem um alto teor de sal. Adultos e crianças com mais de 11 anos não devem comer mais de 5 g. de sal por dia. As crianças mais jovens devem consumir ainda menos.

Beba água mesmo sem sentir sede

Temos que beber aproximadamente 1,6 a 2 litros de líquido por dia para evitar a desidratação e contribuir para o bom funcionamento do organismo. 

Tente evitar refrigerantes e bebidas industrializadas que são ricos em açúcares e calorias vazias.